⚫️ Como Eu Venci a Minha Acentuada Timidez

9 min de leitura

----------------------------------------------------------------------- Faça parte da minha Lista VIP e receba todas as minhas novidades em primeira mão no seu e-mail.



 

Falar sobre timidez é um grande prazer para mim, pois foi superando esse sentimento/comportamento na minha adolescência que passei a ter as minhas maiores superações. Se você é timido(a), leia o artigo até o final porque ele é um “prato cheio” para você.

Quem me conheceu (pessoalmente) antes dos meus 15 ou 16 anos, sabe que eu era um menino muito, muito tímido, desde os meus primeiros anos de idade eu demonstrava isso nitidamente.

Hoje, embora muitos ainda me achem muito tímido (porque decidi ser uma pessoa mais introspectiva), estou apenas com alguns resquícios, sendo que agora gosto desse pouco e me dou muito bem com ele. Mais para frente eu explico porque gosto desse resquício de timidez.

O objetivo principal desse artigo é ajudar de alguma forma pessoas tímidas. Posteriormente, a fazer você (que não é tímido[a]) entender como um(a) tímido(a) geralmente pensa. Vamos lá…

⚠️ O Blog PE é um site dedicado a compartilhar conhecimentos sobre o ser humano de forma profunda que conta com o suporte de seus apoiadores. Clique aqui para saber como ajudar e ganhe recompensas excepcionais.

 

O que deixava-me tímido

O medo do que os outros iriam pensar era o maior motivo disparado que “justificava” a minha timidez aguda. Esse é o motivo número um para os tímidos.

A timidez é algo estritamente ligado a baixa auto estima, mas não quer dizer que todo tímido ande com sua auto estima em baixa.

Eu limitava muito o que falava, as minhas ações e emoções diante das outras pessoas, mesmo que fossem da família. O medo do julgamento delas deixava-me meio que inerte perante a situações de todo tipo, sejam elas de festa ou de tristeza. Eu evitava ao máximo chamar a atenção, deixava até mesmo de fazer pequenos movimentos com mãos e braços para isso.

Eu tinha muito receio de falar alguma bobagem, cometer um erro e minha reputação ir por “água abaixo”.

Medo de perder a confiança das pessoas que tinha por perto. Medo de muita coisa que PODERIA acontecer. Obviamente, focava no lado negativo que as minhas ações poderiam causar nos outros, fazendo-as mudarem a sua visão para comigo.

Eu conseguia ser “mais eu” me divertindo com meus amigos, especialmente quando estávamos brincando.

Você também deve gostar de ler:

📕⬇️ E-book Grátis: Os 6 mitos sobre pensamento positivo →

💡 Por que certas pessoas reclamam tanto? →

⚫️ Como reagir com elegância aos insultos e provocações mal-intencionados? →

⚫️ Assuma o protagonismo da sua vida! →

⚫️ Acredite, você já é mais rico(a) do que pensa! →

⚫️ Aprenda a receber os feedbacks da vida →

 

O lado bom da (minha) timidez

Como em tudo podemos perceber algo bom e ruim, com a minha timidez naqueles tempos não foi diferente (embora eu só tenha percebido o bem que me fez depois que passei a ser destímido). Tanto é que por isso, hoje, às vezes ainda faço questão de contar um pouco com ela…

Considero importantíssimo o que consegui positivamente mesmo com esse bloqueio, que foi desenvolver bem é a minha capacidade de observação e escuta (dois grandes princípios de um bom psicólogo).

Graças a minha timidez, eu ficava mais sensível (no bom sentido) ao que os outros pensavam e reagiam em determinadas situações, buscando adaptar-me diante delas. Como falava pouco (ou quase nada…), eu observava detalhes e ouvia muito mais, passei a gostar cada vez mais disso (hoje eu amo).

O ponto menos bom, é que de certa forma, eu ficava refém do outro, era muito mais reação, do que ação. Pelo menos isso não me prejudicava quanto aos sentimentos, porque eu nunca permiti que fosse contagiado (à longo prazo) com cargas excessivas de sentimentos tóxicos.

Hoje, já posso dizer que assumi o protagonismo da minha vida e passei a ser muito mais ação do que reação. Porém, geralmente não encontro muita dificuldade para adaptar-me a outras pessoas, novos ambientes, pelo contrário.

Muitas pessoas (principalmente homens) não conseguem ter sensibilidade para ouvir o que o outro tem a dizer (nas entrelinhas) e enxergar certos nuances que são emitidos apenas nos detalhes de uma breve cena.

 

O que fiz para vencer a minha timidez!

A minha superação teve dois pontos cruciais, mais outros dois para complementar:

  1. Passei a buscar autoconhecimento;
  2. Passei a buscar conhecimento;
  3. Apresentações constantes de seminários no Ensino Médio;
  4. Passei a me espelhar em pessoas que admirava.

 

1. Buscar autoconhecimento

Tornou-se super comum eu ficar dialogando mentalmente comigo mesmo em situações calmas e de tomada de decisões difíceis. Essa prática permitia que eu verificasse a qualidade de meus pensamentos no momento e no que poderia acarretar tanto para mim, quanto para as pessoas em volta.

Foi tipo um processo de auto-análise mesmo. Com isso, pude ir qualificando meus pensamentos e sentimentos para deixá-los (mais ou menos) da forma como eu queria.

Quando passei a ouvir mais a mim mesmo, tomei consciência das pessoas que realmente gostavam de mim pelo o que sou, pelo meu jeito, meus gostos, defeitos, tudo mais.

 

⚫️ Conheça a pessoa que te acompanha todos os dias da sua vida →

⚫️ 38 Perguntas poderosas de autoconhecimento que todo mundo deveria responder →

 

2. Buscar conhecimento

O segundo ponto (que também foi fundamental), foi ter buscado conhecimento incessantemente. Em diversas áreas, principalmente ler textos, livros, assistir vídeos, filmes, que passassem uma mensagem reflexiva de pessoas mais maduras para os jovens.

A partir dessa prática, pude sair da caverna e absorver uma quantidade considerável de antídoto contra a pior doença do mundo. É oriundo dessa busca incessante que eu escrevo tanto conteúdo épico para você aqui no blog (e estamos só no começo!).

Abordar tais assuntos (relevantes que eu pesquisava sozinho), com amigos e familiares foi muito bom também para que eu pudesse expressar melhor as minhas ideias, e entender outros pontos de vista. Então, passei aos poucos a aprimorar meu intelecto, bem como capacidade de compreensão.

 

⚫️ Como consegui virar a chave da minha vida →

 

3. Apresentações constantes de seminários

O terceiro fator foi ter que apresentar muitos seminários no ensino médio que foi integrado com curso técnico profissionalizante, ou seja, foi um período de quatro anos apresentando diversos trabalhos em frente à sala.

Para quem é timido(a) tem coisa pior (ou melhor) que isso?!  😉  Até para quem não é, pode ser um grande desconforto, não é mesmo?

Lembro-me que em uma delas, já no 3º ano, meados de 2014, eu me preparei para apresentar sozinho, sendo que era em grupo, mas ninguém do meu grupo pensou que era para apresentar todos, só eu que me preparei e todos esperaram pela minha apresentação…

Pela primeira vez, eu estaria apresentando um trabalho sozinho no “palco” do início ao fim. Chamei a “responsa” e senti-me um verdadeiro palestrante.

Foi uma apresentação com cerca de 15 minutos falando sobre uma empresa que tivemos que inventar. Aquela apresentação foi magnífica para mim, a partir dela que eu passei a fortalecer muito mais as minhas crenças positivas, ainda mais depois dos inesquecíveis elogios que recebi da exigente professora.

Acredito que todas as pessoas que assistiram a minha apresentação naquele dia, surpreenderam-se com aquele garoto que eles mal ouviam a voz…

Depois de muitas aparições na frente do público (o que era/é essencial para o curso que eu estava fazendo), acabei me habituando mais em ficar na frente das outras pessoas, em ser o centro das atenções em determinados momentos.

Felizmente, até fazendo o que não queria me ajudou consideravelmente neste processo de destimidez.

 

⚫️ Como melhorar fazendo o que você não quer/gosta →

 

4. Espelhar em outras pessoas

Por fim, espelhar-me em pessoas que admirava como da família mesmo e aqueles que ocupam posições que eu almejo(ava) foi o desfecho para eu poder superar a minha acentuada timidez.

Eu pensava coisas do tipo: “como será que fulano reagiria a esta situação?”, “como uma pessoa madura reagiria a isso?”. Com isso, tinha pelo menos um certo embasamento para minhas atitudes, o que dava-me mais confiança por estar agindo de acordo com alguém que admiro muito.

Depois de alguns anos (isso mesmo, anos!) praticando estes quatro princípios, a minha autoconfiança foi lá em cima, passei a “descobrir o segredo da felicidade” (que na verdade, não tem segredo algum) e hoje, adoro observar os detalhes de uma cena e ouvir o que outras pessoas têm a dizer (verbalmente e não-verbalmente).

Lembrando que espelhar não é imitar. No meu caso, eu busquei trazer a melhor parte que eu via nas pessoas que admiro/admirava, para mim, fazendo meio que uma “mistureba” mesmo, porém, de forma alguma deixei a minha particularidade de lado, e hoje, tenho certeza que ela sobressai.

Se algum tímido hoje me pedir ajuda para deixar de ser, falarei sobre este (meu) caso e tocarei logo nesses quatro itens práticos.

 

Conclusão

Demorou mais de uma década para eu superar o bloqueio da timidez. Foi duro, mas muito gratificante. Isso foi uma grande prova de vida para mim que não importa como você está, o que importa mesmo é o que você resolve fazer com o que tem. É esse tipo de mentalidade que irá fazer você crescer para o lado que quiser.

 

Leia também: ⚫️ Regra dos 10/90 – O princípio que mudou a minha vida e pode começar a mudar a sua também →

 

A partir do momento que passei a tomar doses cavalares de autoconhecimento e conhecimento, passei a superar este mal (que se você souber como usar, pode fazer algum bem). Colocar em prática hábitos que fortaleçam a nossa mentalidade e espelhar em pessoas que admiro também foram pontos bem consideráveis para passar por cima deste obstáculo (que pode se tornar um aliado).

Ter praticado esportes, academia, aprendido a dançar (mesmo que o básico) e ter tido um relacionamento sério também foram períodos importantíssimos que contribuíram de certa forma a combater a timidez, além de terem elevado a minha auto estima, fizeram-me socializar mais com novas pessoas, inclusive do sexo oposto (o que considero a parte mais importante, pois era muito travado com meninas/mulheres).

Como pôde perceber, no meu caso eu fui totalmente autodidata e resolvi acabar com isso sozinho comigo mesmo, o máximo de ajuda que obtive dos outros foram os feedbacks (na maioria das vezes) negativos que recebia delas e observando o comportamento de pessoas que eu admiro(ava).

No entanto, também podemos contar com a ajuda de diversas pessoas que confiamos em nossa volta e também de profissionais como psicólogos, terapeutas, coach’s, etc. Curso de teatro também é super indicado para trabalhar este aspecto.

Gostou do que leu? Você se considera uma pessoa tímida? Te ajudei de alguma forma? O que achou do texto? Comente logo abaixo…  😉

Abraço e até o próximo artigo!

⚠️ O Blog PE é um site dedicado a compartilhar conhecimentos sobre o ser humano de forma profunda que conta com o suporte de seus apoiadores. Clique aqui para saber como ajudar e ganhe recompensas excepcionais.

 

Pedro Emanuel | Artigos Épicos Sobre Ser Humano.

----------------------------------------------------------------------- Faça parte da minha Lista VIP e receba todas as minhas novidades em primeira mão no seu e-mail.



 

Gostou?! Então por que não compartilhar? =)

Outros Artigos: